Associado Flajaraguá participa de encontro

Associado Flajaraguá participa de encontro
Emerson Luis Nicocelli, 274 camisas em sua coleção

segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

Grupo de investimentos confirma Marcelo no Fla por três temporadas!

Representante do Doyen revelam acordo nos mesmos termos da ida de Damião para o Santos. Empresa fica com 80% dos lucros de negociação ou cariocas repõem R$ 16.5 milhões. É questão de tempo para que Marcelo Cirino seja confirmado como reforço do Flamengo. A transação envolvendo o Atlético-PR, o Rubro-Negro carioca e o fundo de investimentos Doyen Group está selado e o anúncio depende somente do acordo salarial do atacante. Os termos da transação são os mesmos da ida de Leandro de Damião para o Santos. O contrato será de três anos, mesmo período que o clube da Gávea tem para pagar o empréstimo de R$ 16,5 milhões para compra de 50% dos direitos econômicos do atacante. Anualmente, o valor será ajustado em 10%. Caso o Flamengo venda o jogador neste período, fica com 20% deste montante, com os outros 80% indo para Doyen Group. Ambas as partes vêm o negócio com grande potencial de lucro técnico e financeiro, uma vez que Marcelo tem somente 22 anos e foi eleito a revelação do Brasileirão de 2013. A expectativa é de que o reforço já se apresente com o restante do elenco rubro-negro na segunda-feira, no Ninho do Urubu. Representante da Doyen no Brasil, Renato Duprat confirmou o final feliz para transação. Já está tudo acertado, falta apenas o acordo salarial do Flamengo com o Marcelo. O contrato será de três anos, prazo que o clube terá para nos pagar o investimento realizado. Após este período, o Marcelo será do Flamengo. Se houver uma negociação, ficamos com 80% e o clube com 20% - revelou em contato com o GloboEsporte.com. O Doyen é um grupo que tem como principal atividade a mineração - óleo, gás, ouro, ferro, etc. Com escritórios também em Instambul, na Turquia, e em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, o grupo iniciou os trabalhos esportivos em 2011, tornando-se "uma alternativa de financiamento" para clubes que têm menos recursos". O modelo criado com a autorização da Uefa tira da mão de terceiros (grupos de empresários, por exemplo) os direitos econômicos dos jogadores, o que faz do grupo praticamente um banco. Fonte:(www.globoesporte.com)