FLAJARAGUÁ

FLAJARAGUÁ
OS 3 SORTUDOS!

segunda-feira, 27 de maio de 2013

SÁBADO DIA 08 DE JUNHO - 3.º BAILE RETRO

VENHA PARTICIPAR CONOSCO DESSA NOITE RETRÔ!!! PARTE DA RENDA SERÁ REVERTIDA PARA COMPRA DE CADEIRA DE RODAS, PARA EMPRÉSTIMOS A PESSOAS COM PROBLEMAS DE SAÚDE.

Torcida transforma Mané Garrincha, é como jogar em casa!!!

Apesar do mando de campo do Santos, rubro-negros são imensa maioria nos mais de 63 mil presentes e não aliviam para o craque no adeus. Se em campo o Flamengo não conseguiu transformar em gols a superioridade sobre o Santos, na arquibancada os rubro-negros de Brasília deram uma goleada na abertura oficial do Estádio Nacional Mané Garrincha. Presentes em número muito maior do que os santistas, os torcedores fizeram com que os cariocas se sentissem em casa mesmo em um jogo com o mando do Peixe e transformaram o palco da primeira partida da Copa das Confederações em caldeirão. No repertório, muitos gritos de apoio e uma vítima: Neymar. Em sua última partida com a camisa do Santos, o atacante sofreu com a marcação implacável dos flamenguistas. Sem dar bola para despedida do craque, eles o vaiaram desde que seu nome apareceu no telão no anúncio da escalação até o fim do jogo, a cada toque na bola. Para apoiar o Flamengo, músicas de incentivo deram o tom da festa, com poucas exaltações a jogadores específicos - casos raros de Rafinha e Renato Abreu, no momento em que se desentendeu com Cícero. Utilizado pela primeira vez com capacidade máxima, o Mané Garrincha foi pintado de vermelho e preto. Dos 63.501 presentes, uma parcela mínima vestia branco. Um das organizadas do Peixe, por sinal, chegou ao estádio já na metade do primeiro tempo e ficou em uma área isolada, cercado por policiais, atrás do gol a esquerda das cabines de TV. Com a bola rolando, os rubro-negros jogaram junto com a equipe durante os 90 minutos. O primeiro toque de um jogador do Fla na bola foi comemorado como um gol, com Luiz Antonio. Quando o Santos tentava atacar, vaias também podiam ser ouvidas e davam lugar a músicas tradicionais quando os cariocas tinham a posse da bola. Cantos como “Onde estiver estarei”, “Sai do chão a torcida do Mengão” e “Mengão do meu coração” foram entoados insistentemente. Após o jogo, Jorginho não se mostrou surpreso com a supremacia dos flamenguistas nas arquibancadas. - Sabíamos que a torcida estaria presente. Foi muito bom. Ao apito final, no entanto, foi possível ouvir focos de insatisfação com o resultado e as muitas chances perdidas com vaias. Agora, o Mané Garrincha está à disposição da Copa das Confederações, e o Flamengo não tem previsão para voltar a jogar na capital federal. Na próxima quarta, a equipe vai a Juiz de Fora para enfrentar a Ponte Preta. Na outra partida com mando de campo, contra o Náutico, na quarta rodada, o clube jogará no Orlando Scarpelli, em Florianópolis.(globoesporte.com)